Não temos que ser duros, temos que ser humanos!

Não temos que ser duros, temos que ser humanos!

Não temos que ser duros, temos que ser humanos e isso significa que podemos chorar, estar tristes, desanimados, sem esperança… Ser humano significa ter emoções, significa sentir. Sentir tristeza e alegria, medo e coragem, insegurança e esperança… É normal, faz parte! Os últimos dias têm sido difíceis, a capa de forte um dia cai e dá lugar à tristeza. Não me coíbo de o dizer, não tem que estar sempre tudo bem, não temos que estar sempre bem.

As fragilidades existem e senti-las só faz de nós humanos. Chorar faz bem, liberta e lava a alma e eu chorei muito esta semana. A carga emocional é enorme e eu quebrei. Tinha que ser e sabe que mais? Soube-me bem chorar. A libertação foi enorme e no fim fiquei melhor, bem melhor. Guardar dentro de nós o que não nos serve, o que nos incomoda, traz inúmeras desvantagens, por isso é necessário libertar. Sem medos, sem culpas, sem julgamentos!

Não gosto muito que me digam para não chorar, não gosto e não digo, nem aos miúdos. A tristeza é algo normal e que deve ser sentida. Se não sentimos tristeza, como podemos saber o que é felicidade? Não podemos! Sentir o que quer que seja não faz de nós fracos, faz de nós humanos!

Gostou deste artigo? Partilhe-o com os seus familiares e amigos! 🙂

*Beijinhos*

Sofia

Siga-nos também no Instagram —> @sofiasalgadomota

Descobri uma forma de a deixar pintar as unhas!

Descobri uma forma de a deixar pintar as unhas!

A Carlota adora pintar as unhas, mas eu não a deixo pintar as dela, pelo menos não com os meus vernizes (falei disso aqui). Quando, a fazer scroll pelo Instagram, ela viu umas mãos de cartão com as unhas pintadas, pediu igual. Pensei, porque não? Com tanto tempo em casa, é óbvio que mantê-los ocupados com algo que gostem, é o que toda a gente deseja.

Claro que, como educadora que sou, vejo em tudo intencionalidade educativa. Com esta atividade não seria diferente e, para além de termos uma criança entretida um bom bocado, ainda trabalha a motricidade fina!☺️

Uma atividade simples, que, acredito, fará as delícias das miúdas (e não só) aí de casa.

Material necessário:

  • Um pedaço de cartão
  • Marcador preto
  • Lápis de cartão
  • Tesoura

Como fazer:

Desenhar as suas mãos no cartão com um lápis de carvão, contornar com o marcador preto e cortar à volta. Simples, prático e eficaz!😊

O que acha desta forma que descobri de a deixar pintar as unhas?

Gostou deste artigo? Partilhe-o com os seus familiares e amigos! 🙂

Beijinho no ❤️

Sofia

Siga-nos no Instagram —> @sofiasalgadomota

Benefícios de sermos nós a limpar a casa!

Benefícios de sermos nós a limpar a casa

Nos dias que correm muitos de nós se veem a braços com tarefas domésticas, levadas a cabo, não raras vezes, por outras pessoas. É o meu caso!☺️ Não sou de me queixar, olho para tudo isto e tento encontrar algo de positivo na experiência que estou a viver, com as limpezas não foi diferente!

Este é um post para rir, para ler com bom-humor, porque sei que há pessoas que sempre limparam a casa, mas há outras que não. Independentemente disso, dou algumas dicas para que este momento seja ainda mais benéfico.!☺️

Para que os benefícios se possam sentir, convém respeitar algumas regras. Vamos lá então: deve vestir umas calças de ganga com bolsos atrás, para colocar o telefone, deve ter uns phones e música que faça dançar no telefone, para ouvir enquanto limpa.

Vamos então aos benefícios de sermos nós a limpar a casa:

  1. Como tem a música a tocar nos ouvidos, muitas das vezes não vai ouvir os miúdos a chamar MÃEEEEEEE! O resultado é que, para além de não os ouvirmos, eles vão tentar desenrascar-se sozinhos, que remédio.
  2. A casa fica arrumada por nós e não há ninguém melhor para o fazer, acabamos sempre por reorganizar alguma coisa e deitar fora outras.
  3. A quantidade de brinquedos vai diminuindo, como que por magia. Nem imagina a quantidade de coisas e coisinhas da Carlota que já deitei fora. Para além de ganhar espaço, se ela se lembrar delas, vai andar entretida um bom bocado à procura do que já não está. Meu amigo!🙈
  4. Enquanto limpamos, com a música nos ouvidos, dançamos e gastamos calorias, não há exercício melhor.
  5. Não pensamos em mais nada a não ser na música que toca e no que estamos a fazer, vivemos alienados um bom par de horas. Algo que, nos dias que correm, é uma benção.🙏🏻
  6. Passamos a dar verdadeiramente valor ao facto de podermos ter empregada, minha Santa Paula, tenho tantas saudades dela.☺️

Bem, acho que já coloquei todos os benefícios de sermos nós a limpar a casa. Mas, se porventura, se lembrar de mais algum, é só deixar nos comentários!💪🏻

Gostou deste artigo? Partilhe-o com os seus familiares e amigos! 🙂

Beijinho no ❤️

Sofia

Siga-nos no Instagram —> @sofiasalgadomota

A receita do nosso pão!

A receita do nosso pão!

Fiz pão! Sempre gostei de cozinhar, de inventar, de enfrentar tachos e panelas, para fazer o que mais gosto de comer e eu adoro pão. Por estes dias estrava a fazer-me alguma confusão comprar o pão fora, paranóia, sei lá eu, tive medo! Para além disso não saio todos os dias, nem pouco mais ou menos, e por isso… resolvi arriscar! Pedi a uma amiga nutricionista uma receita simples e eficaz e ela não desiludiu. Nunca desilude, na verdade, obrigada Inês!❤️

A receita é simples, basta seguir as instruções e o pão fica parecido com aquele pão de Rio Maior, que compramos nas grandes superfícies. Os que não usei logo, congelei. Como ficaram grandes, fatio e faço torradas com manteiga. Como alguém me dizia, pão com manteiga é o céu, eu completo com um: é simplesmente maravilhoso!🥰

Ingredientes:

  • 1,2 kg de farinha de trigo tipo 65
  • 1 saqueta de fermento de padeiro
  • 1 colher de sopa de sal grosso
  • 800 ml de água tépida
  • Azeite

Modo de preparação:

Juntar todos os ingredientes, à exceção do sal, numa taça grande e amassar bem. Desafazer o sal em água quente e juntar ao preparado. Se considerar que a massa está muito seca, adicione mais água. Deve ficar uma massa homogénea. De seguido untar as paredes da taça com azeite e tapar com um pano, para a massa levedar. Deve ficar com o dobro do tamanho e isso demora entre duas a três horas.

Após a massa levedar por completo, coloque-a em cima de um papel vegetal polvilhado com farinha e divida-a. Pode dividir na quantidade de pães que desejar. Cá por casa dividimos em quatro, mas poderia ter sido em mais ou em menos. Os pães devem ser polvilhados com farinha, tapados com um pano e deixados a levedar por mais uma hora.

Cozer no forno pré aquecido a 200.º durante, mais ou menos, 50 minutos.

Depois disto tudo, que parece muito, mas não é, é saborear! Quem tiver miúdos pode fazer com eles, a Carlota adorou a experiência!💛✨🙌🏻

Espero que goste da receita do nosso pão e não se esqueça, se puder, fique em casa!🙏🏻

Gostou deste artigo? Partilhe-o com os seus familiares e amigos! 🙂

Beijinho no ❤️

Sofia

Siga-nos no Instagram —> @sofiasalgadomota

Nota: Receita originalmente publicada no livro Mão à obra de Constança Cabral. ☺️