Amamentação… algumas considerações!

Amamentação… algumas considerações

Amamentei a Carlota até há bem pouco tempo, sim, é verdade! Nunca o disse aqui, mas também não acho que o deva proclamar ao mundo. A verdade é que sou um pouco comedida em algumas questões da intimidade. Mas também é verdade que passados quase três anos a amamentar uma criança, sendo que já tinha uma experiência anterior bem sucedida (não foi tanto tempo, mas não interessa!), tenho algumas considerações sobre a amamentação a partilhar.

Então aqui vai, amamentação… algumas considerações:

  • Primeiro ponto e MUITO importante, amamentar não é fácil, os primeiros tempos são terríveis, pelo que deve estar certa do que pretende. Amamentar também é uma opção.
  • Ligue o filtro! Sim, aquele filtro que nos permite avaliar as informações acerca dos bebés, LIGUE-O! Toda a gente tem ideias, opiniões, soluções…
  • Procure ajuda, a solidão só atrapalha e há imensa gente com habilitações e conhecimento que podem ajudar.
  • Lembre-se sempre, NÃO HÁ NINGUÉM que conheça melhor um filho do que a mãe, esteja atenta aos sinais. Primeiro são difíceis de interpretar, mas em pouco tempo se fica pro.
  • Voltemos ao início. Eles mamam a toda a hora (não é, mas parece!), ficam imenso tempo a mamar, adormecem enquanto o fazem… e temos pouco tempo para nós. É assim mesmo, mais vale relativizar e acreditar que tudo melhora, porque melhora, mas melhora MESMO!
  • Esqueçam os vestidos sem costas! As mamas ficam mesmo partidas e, na maioria das vezes, não dá para viver sem soutien! São opções! 🙂
  • Poupa (imenso) tempo, apesar de os ter muito tempo a mamar. Não há a logística dos biberões, das esterilizações e afins. De noite, então, é um sossego. E de manhã, quando só queremos ficar um bocadinho mais na cama? Maravilhoso! A verdade é que o leite está sempre prontinho e à distância de… um colo!
  • Para além de tempo, poupa dinheiro, imenso dinheiro, ao que consta, porque não tem que comprar leite.
  • Por favor não desista à primeira contrariedade, isso faz parte e no fim vai ver que valeu bem a pena! 🙂

E por aí, amamentou? Quer acrescentar alguma consideração ao tema amamentação? Gostava de saber a sua história/opinião! 🙂

*Beijinhos*

Sofia

Siga-nos também no Instagram —> @sofiasalgadomota

Nota 1: o Facebook alterou o algoritmo e a partir de agora vai mostrar mais posts dos amigos e menos das páginas que seguimos. Para continuar a saber dos nossos posts basta ir aqui à nossa página, clicar em gosto e de seguida onde diz “A Seguir” e seleccionar “Ver Primeiro”.

Nota 2: Outra opção é adicionarem-se ao grupo do blogue Pedaços de Nós (podem fazê-lo aqui)! Esta está foi a solução encontrada para que as nossas leitoras não percam pitada. Neste espaço partilharemos apenas os posts que normalmente são partilhados na página, por isso vá lá e adicione-se!  🙂

10 thoughts on “Amamentação… algumas considerações!

  1. Alexandra Oliveira says:

    Boa noite, é como diz, a amamentação é uma opção. No início é difícil mas com tempo, dedicação e persistência consegue_se 🙂
    Quando tive o meu primeiro filhote só consegui amamentar em exclusivo até aos 4 meses e fiquei muito triste… quando tive os meus gémeos fui mais decidida e não ouvi outras opiniões, após esforço e dedicaçao dei_lhes de mamar até aos 2 Anos, adorei e tornou_se um hábito simples e tranquilo 🙂
    Precisamos de ouvir o nosso íntimo e sentir confiança nesse ato tão extraordinário 🙂 beijinhos Alexandra Oliveira (mãe de três, todos diferentes, um Amor IGUAL)

    1. sofiasalgadomota says:

      Com gémeos é mesmo uma vitória e uma aventura! 🙂
      Beijinho e parabéns!

  2. […] Amamentei a Carlota até há bem pouco tempo, sim, é verdade! Nunca o disse aqui, mas também não acho que o deva proclamar ao mundo. A verdade é que sou um pouco comedida em algumas questões da intimidade. Mas também é verdade que passados quase três anos a amamentar uma criança, sendo que já tinha … Ver artigo completo no Blog […]

  3. Ana Marisa Farola says:

    Amamento a minha filha de 3 anos e em simultâneo com a Irma que faz 1 ano dia 18. Não foi fácil mas foi uma escolha minha/nossa. E não me arrependo de nada. Vou continuar a amamentar enquanto as 3 quisermos. Bjinhos

    1. sofiasalgadomota says:

      Sério? Uau! Que máximo, oxalá elas se lembrem! 🙂
      Beijinho grande

  4. “amamentar não é fácil, os primeiros tempos são terríveis” – nem sempre é assim! Aliás, creio que o maior problema é nos dizerem isto de antemão e ficarmos com bichinhos na cabeça!
    É muito útil fazer a formação sobre amamentação nas lojas de puericultura mais conceituadas (chicco, pré-natal,…), mais até do que a preparação para o parto, na minha opinião. Essas formações falam em TODAS as dificuldades que podem surgir e preparam-nas para lidar com elas. Eu fiz a formação e sabia que queria amamentar – sentia-o com a maior naturalidade do mundo e foi isso que aconteceu. Foi super fácil – de terrível não teve nada, foi maravilhoso!
    Não há nada mais terrível do que assustar quem está prestes a ser mãe com ideais pré-concebidas baseadas em más experiências. Amamentar não tem de ser um sacrifício! Com a ajuda correta pode ser mesmo a melhor coisa do mundo!
    #euameiamamentar

    1. sofiasalgadomota says:

      Sério, não sabia que havia na Chicco ou Pré Natal esse tipo de formações. Para mim foi difícil não por desconhecimento, mas pelo cansaço das noites mal dormidas, pela mastite que tive quando ela tinha um mês, pelo facto dela passar imenso tempo na mama… Foi por aí, mas acredito que nem toda a gente sofra! Mas eu prefiro que me alertem para tudo o que possa correr mal, do que me digam que é uma maravilha e depois não ser bem assim!
      Beijinho 🙂

  5. Manuela says:

    Pois eu tenho um menino já com quatro anos e ainda mama. Toda a gente diz”que vergonha com esta idade já não precisa de mama “.
    Ele gosta faz lhe bem não me faz diferença se mama ou não. Para mim é um miminho que lhe estou a dar….

  6. Bom dia Sofia!
    Em primeiro lugar, queria só referir que não foi minha intenção melindrá-la! Sigo o seu blog porque gosto não só da estética, mas obviamente porque me identifico e valorizo o conteúdo!
    Sim, comigo também não foi fácil, se considerar que a minha filha, durante um ano inteiro, não chegou a dormir uma hora completa. Costumo dizer que passei um ano sem dormir, e sem exageros, é literalmente verdade. Andava esgotadíssima, mais ainda porque a M. nasceu com a membrana do esófago muito imatura, e tinha refluxo constante. Por isso amamentar era uma constante, já que ela não conseguia “segurar” muito do que mamava – durante meses, até começar a introduzir a alimentação sólida, que ajudou muito o parelho digestivo, a M. mamava de hora a hora!
    O que eu quis dizer é que, por maiores que sejam as dificuldades, não há nada de mais maravilhoso no mundo! Apesar das minhas dificuldades, foi sem dúvida a experiência mais maravilhosa da minha vida, logo a seguir à de ter sido mãe!
    Essas formações de que falei são muito importantes no sentido em que nos alertam para várias das dificuldades que podem surgir e como podemos fazer para as prevenir e/ou ultrapassar, nomeadamente as mastites, que afectam tantas mulheres. Desde os discos de gel para colocar no frio e aliviar o peito dolorido, os duches mornos antes da mamada, os duches frios, após, a necessidade de beber muita (ainda mais) água, o creme de lanolina (que é extraordinário para o conforto dos mamilos), colocar parte da mama na boca do bébé e não apenas o mamilo (grande erro, que pode provocar muitas dores e desconforto para a mãe), etc. Um sem fim de dicas preciosas que ajudam a tornar a amamentação num momento confortável e inesquecível para o bébé mas também para a mãe.
    E o leite não é só o alimento mais completo e perfeito para o bébé – tal como disse, está sempre disponível, está sempre à temperatura adequada, a sua composição altera consoante as necessidades do bébé, permite um contacto maravilhoso entre mãe e bébé e ajuda também na recuperação pós-parto da mãe! E este é um fator que muitas vezes se esquece – amamentar não é só o melhor para o bébé, para a mãe também!
    Na maternidade fiquei chocada quando me perguntaram se eu ía querer amamentar – foi cesariana, pelo que necessitei levar uma injecção de prolactina, para estimular a produção de leite, que não ocorreria por não ter um parto normal. Para mim era um óbvio sim, mas percebi que muitas mulheres simplesmente optam por nem sequer tentar. Não querem amamentar. Escolhem não o fazer.
    Eu sei que há situações muito difíceis, em que é necessário desistir, mas nem sequer tentar acho que é de um egoísmo absurdo… e acredito que essa postura advém de muito do que estas mães ouvem de más experiências de outras mães que, por uma razão ou outra,não gostaram de amamentar.
    Assim sendo, e voltando ao início deste comentário, acho que este tipo de posts são úteis quando partilham não apenas um possível problema, mas também possíveis soluções. Devemos incentivar uma amamentação confortável para mãe e para o bébé, dar ferramentas para que tenham uma boa experiência, e não criar “macaquinhos” baseados em experiências que não foram como sonhámos. Se estivermos bem preparadas (porque instinto natural todas temos assim que os nossos filhos nascem), não tenho qualquer dúvida de que corre tudo lindamente.
    Um beijinho!
    Ana Rita

    1. sofiasalgadomota says:

      Não fiquei melindrada, mesmo, nem considerei que era uma crítica destrutiva! 🙂
      Acho que em muitas maternidades incentivam, mas outras há que não! Sinceramente não percebo, mas enfim!
      Obrigada pelo elogio ao blogue! 🙂

      Beijinho grande

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *