Não temos que estar sempre ocupados!

Sinto, imensas vezes, que tentamos arranjar atividades para fazer com os miúdos, o tempo todo e a toda a hora. Nesta busca incessante perdemos, muitas vezes, a possibilidade de apenas estar. De, simplesmente, observar. Observar como crescem, como brincam, como se desenvolvem. Ao mesmo tempo não lhes permitimos sentir o prazer da doce inércia, do estar sem fazer nada, do simplesmente estar! E é tão difícil estar.

Hoje em dia, os estímulos são tantos que parece que estamos sempre ocupados. E quando não estamos inventámos alguma coisa. Mas teremos que estar sempre ocupados? Será assim tão mau passar um fim de semana sem sair de casa? Passar um fim de semana sem tirar o pijama? Passar um fim de semana inteiro sem… FAZER ABSOLUTAMENTE NADA?

Eu decidi que, a partir de agora, vou viver sem culpas e, pelo menos ao fim de semana, só vou fazer aquilo que me apetece. Se me apetecer sair, saio. Se me apetecer ficar em casa, fico. Se… vamos ver se a Carlota deixa, porque isto de sermos nós a decidir , deixa de ser possível quando temos filhos, não é verdade? 🙂

*Beijinhos*

Sofia

Siga-nos no Instagram —> @sofiasalgadomota

Nota 1: o Facebook alterou o algoritmo e mostra mais posts dos amigos e menos das páginas que seguimos. Para continuar a saber dos nossos posts basta ir aqui à nossa página, clicar em gosto, depois onde diz “A Seguir” e seleccionar “Ver Primeiro.”

Nota 2: Outra opção é adicionarem-se ao grupo do blogue Pedaços de Nós (podem fazê-lo aqui)! Esta está foi a solução encontrada para que as nossas leitoras não percam pitada. Neste espaço partilharemos apenas os posts que normalmente são partilhados na página, por isso vão lá e adicionem-se!  🙂

One thought on “Não temos que estar sempre ocupados!

  1. […] Sinto, imensas vezes, que tentamos arranjar atividades para fazer com os miúdos, o tempo todo e a toda a hora. Nesta busca incessante perdemos, muitas vezes, a possibilidade de apenas estar. De, simplesmente, observar. Observar como crescem, como brincam, como se desenvolvem. Ao mesmo tempo não permitimos aos miúdos sentir o prazer da doce inércia, -> … Ver artigo completo no Blog […]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *