Dizem que inventaram agora o período de adaptação!

Vejo, ou melhor leio, alguma confusão que anda por aí acerca do período de adaptação e achei melhor esclarecer! 🙂

O período de adaptação é o período no qual a criança se habitua à escola. Cria laços, percebe o funcionamento, chora (ou não)… Não se inventou agora, não é nada de novo, porque adaptarmo-nos às coisas que ainda não conhecemos é algo natural. Com as crianças, como é óbvio, isso também acontece. A adaptação pode é ser gradual, ou não! E não, a adaptação gradual também não se inventou agora!

Sou educadora há quase 20 anos e sempre defendi esta prática. Aliás, o meu filho foi para a escola há 20 anos e já fez uma adaptação gradual. Nos primeiros dias ia só uma ou duas horas, aumentado o tempo progressivamente! Continuo a defender esta prática e faz-me alguma confusão que não a defendam! Para quê obrigar uma criança a estar um dia inteiro num sítio estranho, com pessoas que não conhece e, muitas vezes a chorar, sem dormir ou comer? Para quê? Se não houver outra opção tem que ser, mas se há, porque não? Não entendo!

Há miúdos que não precisam, é verdade. A Carlota não precisou! Mas há quem precise. Aquela sensação de abandono que se sente quando os pais viram costas é necessária, faz parte, faz crescer e blá, blá, blá, mas pode ser minimizada! Aliás, DEVE! 🙂

Agora conte-me, é adepta de uma adaptação gradual? Como foi aí em casa? Agora para as educadoras: como faz na sua sala?

*Beijinhos*

Sofia

Nota 1: o Facebook alterou o algoritmo e a partir de agora vai mostrar mais posts dos amigos e menos das páginas que seguimos. Para continuar a saber dos nossos posts basta ir aqui à nossa página, clicar em gosto e de seguida onde diz “A Seguir” e seleccionar “Ver Primeiro”.

Nota 2: Outra opção é adicionarem-se ao grupo do blogue Pedaços de Nós (podem fazê-lo aqui)! Esta está foi a solução encontrada para que as nossas leitoras não percam pitada. Neste espaço partilharemos apenas os posts que normalmente são partilhados na página, por isso vá lá e adicione-se!  🙂

Siga-nos também no Instagram —> @sofiasalgadomota

A Carlota vai para a escola… Dicas para facilitar a adaptação

Sim, é verdade, a Carlota vai este ano para a escola. Vai com dois anos! Consideramos ser esta a melhor opção, sentimos que necessita de mais estímulos, de outras experiências… Nunca o disse aqui, mas sou educadora de infância. Sim, é verdade e é daí que vêm todas aquelas atividades de exploração. Noto muitas vezes que os pais não sabem muito bem o que fazer, como fazer… Deixar um filho pela primeira vez na escola é uma angústia muito grande, já passei por ela. É um aperto no peito que não passa, é deixá-lo com alguém desconhecido, sendo que o cenário piora bastante quando ficam a chorar! Eles choram, por vezes esperneiam, outras ficam como se nada fosse. Já vi de tudo! É NORMAL e FAZ PARTE! Mas há estratégias que podem ajudar a que a adaptação à escola não custe tanto. Estes são alguns conselhos que habitualmente dou aos pais quando recebo uma criança nova:

  • Primeiro devem conhecer com antecedência o espaço e a educadora. Sentar-se com ela, conversar acerca do vosso filho, do que gosta, do que não gosta, falar acerca do que vos preocupa… Acima de tudo, estabelecer uma relação, afinal é com aquela pessoa que o vosso maior tesouro vai estar grande parte do(s) dia(s)!
  • Explique à criança para onde vai e porque vai para a escola. Use exemplos, os irmãos, os vizinhos, os amigos, os primos… Há sempre alguém perto que anda na escola!
  • Envolva-o! Vá com ele escolher a mochila ou as sapatilhas para levar para a escola. Os miúdos gostam de se sentir envolvidos e permitir escolhas é sempre a melhor opção.
  • Se for possível, fazer uma adaptação gradual. Começar por algumas horas e ir aumentando ao longo dos dias. Costumo aconselhar que nos primeiros dois/três dias fique até à hora de almoço. Depois almoçar e só mais tarde dormir. É claro que muitas das vezes isto é difícil, se não mesmo impossível, mas é o mais aconselhado.
  • Nos primeiros dias permita que a criança leve um objeto de transição. Ou seja, um brinquedo, um boneco, uma almofada, algo que lhe transmita segurança e o lembre de casa.
  • Não fuja. Por muito que lhe custe vê-lo a chorar, não fuja. Olhe-o nos olhos, dê-lhe um beijo, diga-lhe que vai correr tudo bem e que não tarda nada está de volta. Fugir abala a confiança que a criança tem em si!
  • Por último, não diga, nem permita que digam, coisas do tipo “vais ver quando fores para a escola?”. Valorize a escola e o que esta tem de bom, como os amigos, as brincadeiras, os trabalhos que vai fazer, o recreio… A escola é um espaço espetacular onde só acontecem coisas boas, esta é a imagem que deve passar! 🙂

Fazer tudo isto sem libertar uma lagrimazita, ou duas, vá, uma carrada delas, não é tarefa fácil! Eu não consigo! Seja meu filho ou não, fico sempre com a voz embargada e os olhos carregados de lágrimas. Custa muito, é verdade, mas passa! Passa e a partir desse dia a escola vai ser o seu segundo sítio favorito para passar o dia (acredito que, mesmo que às vezes não pareça, é com o pais que eles mais gostam de estar)!

 IMG_1509

*Artigo escrito em parceria com a psicóloga Carla Capela.

*Boa noite*

Siga-nos no Instagram —> @sofiasalgadomota